Começamos o ano de 2021 rodeados de incerteza devido à pandemia do COVID19! Incerteza que percorre todos os aspectos da nossa vida, nomeadamente a área relacionada com imobiliário.
O ano que passou foi o ano 0 da pandemia e trouxe-nos algumas alterações ao imobiliário! Algumas mudanças resultaram num reforçar de comportamentos que já se vinham a manifestar (o apostar cada vez mais no digital), e algumas alterações de comportamentos (diminuição do AL devido ao baixo fluxo de turistas e transformação dos imóveis em arrendamento de longa duração).

Então o que poderemos esperar neste ano de 2021?

O que se está a notar é que o imobiliário está a conseguir captar liquidez porque cada vez mais se está a revelar um investimento seguro! O dinheiro nos bancos não traz um retorno para os investidores. O investimento em acções e obrigações deixou de ser um produto apetecível para a maioria dos cidadãos devido ao risco que acarretam! Investir no imobiliário é cada vez mais apetecível graças ao rendimento que trazem para o investidor (as rendas nunca estiveram tão altas) e a segurança e conforto que trazem para o investidor (o imóvel é paupável, está ali, eu vejo-o)!

Espera-se neste próximo ano que a procura continue activa, existindo um aumento gradual dos negócios concretizados, tendencialmente a partir do 2 trimestre (movimento normal) e com uma curva ascendente mais pronunciada no segundo semestre do ano muito devido ao que se espera ser a imunização de grande parte da população.

Portugal continua a ser um país apetecível, sendo uma das melhores opções para viver e investir, com uma qualidade de vida acima da maioria dos países e com um indíce de segurança que o posiciona como o terceiro país mais pacífico do mundo, somente atrás da Nova Zelândia e Islândia.

Mais, Portugal continua a ter um nível de preços inferior que as principais cidades europeias, mantendo uma qualidade de construção e de acabamentos muito acima da média dos restantes países.

Em relação aos preços, o que se tem vindo a notar é que a pandemia veio acelerar a estabilização dos preços, existindo um ajustamento entre a oferta e a procura.

As pessoas e as famílias com a pandemia passaram a dar muita mais importância ao seu espaço, à sua casa, procurando habitações maiores, rodeadas pela natureza, com espaços exteriores para aproveitar, localizadas em zonas com boas acessibilidades, mas afastadas dos grandes centros urbanos, de modo a que sintam segurança do ponto de vista físico e sanitário.

Venha o 2021!